Você está lendo...
Oriente Médio, Política Internacional, Síria

EUA coordenam envio de armas à oposição síria – Terroristas estão recebendo farto armamento israelense


Secretário-Geral da ONU condena ataques terroristas na Síria

Enquanto a comunidade internacional aposta tudo numa solução política para o conflito na Síria, os EUA e seus fantoches do Golfo Pérsico conspiram para agravar as tensões, fornecendo armas e suprimentos aos terroristas que desafiam o Governo de Bashar al-Assad, apostando numa guerra civil que justificaria a invasão e ocupação da Síria, tal como aconteceu na Líbia.

Apesar de repetidas negativas do governo Obama, e seu discurso hipócrita em favor da auto-determinação dos povos, dos direitos humanos e da proteção a civis inocentes, todas as ações americanas só tem feito aumentar o sofrimento do povo sírio. Inimigos históricos da soberania árabe, usam o conflito para ostentar bandeiras em defesa dos “direitos humanos”. Justamente eles, donos dos cemitérios da liberdade e de valores humanos, conhecidos mundialmente como “prisão de Abu Ghraib” e “base militar de Guantánamo”. Logo eles, que institucionalizaram o assassinato de civis inocentes no Iraque e Afeganistão para depois urinarem em seus corpos.

O que era uma forte suspeita foi confirmado e publicado na edição do dia 16/05 do “The Washington Post”, que citando fontes do governo americano, revelou que os EUA tem coordenado a entrega regular de armas e suprimentos aos terroristas sírios, provenientes da “ajuda” dos países do Golfo. O material, comprado em grande parte no mercado negro, estaria sendo estocado em Damasco e em cidades na fronteira com a Turquia e o Líbano.

Os estoques de armas dos terroristas, vêm aumentando significativamente desde que Arábia Saudita, Quatar e outros países do Golfo se comprometeram, no início de abril, a dar US$ 100 milhões mensais em ajuda à oposição. No mesmo encontro, os EUA prometeram fornecer equipamento de comunicação aos opositores.

— “Grandes carregamentos já entraram. Algumas áreas estão carregadas de armamento” — disse ao jornal americano um membro das forças rebeldes.

As suspeitas de que as armas usadas pelos grupos armados que lutam contra o governo do presidente Bashar al-Assad estão sendo contrabandeados para o país através da Turquia e do Líbano também foram confirmadas com a apreensão, pelo exército libanês, de uma grande quantidade de armas e explosivos perto da fronteira com a Síria, destinado a grupos armados que lutam contra o governo de Damasco. Segundo fontes libanesas, a apreensão ocorreu depois que o Exército interceptou um caminhão na aldeia de Joura na região fronteiriça de Masharih al-Qaa, na noite de quinta-feira (17/05). Um atirador foi morto e um soldado libanês foi ferido na troca de tiros entre os dois lados. Soldados libaneses também descobriram um carro carregado com explosivos na cidade de Sidon. Várias pessoas foram presas em conexão com os incidentes.

No mês passado, a Marinha libanesa interceptou um navio com bandeira de Serra Leoa e confiscou uma grande remessa de armas e munições. Acredita-se que as armas seriam enviadas a grupos armados na Síria. O proprietário do navio disse que o navio devia descarregar em Trípoli, no norte do Líbano. Não por acaso, grande parte das armas apreendidas com os rebeldes são israelenses (veja o vídeo) http://www.youtube.com/watch?v=BnOLgtSpFc8 .

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos das armas que estavam a bordo de um navio cuja carga declarava “Ajuda humanitária”. Isto é o significa ajuda humanitária para os EUA e seus fantoches do Golfo Pérsico: Arábia Saudita, Bharein e Quatar.
 
 

Ontem, em entrevista ao canal russo Vesti-24, Assad afirmou que a oposição armada é uma “gangue de criminosos” que possui extremistas religiosos, incluindo membros do grupo terrorista Al Qaeda. Em referência ao Exército Livre Sírio, o ditador disse “que não é nem um exército, nem livre, porque são financiados com dinheiro do exterior”. Assad disse que houve redução da violência na Síria depois da chegada da missão de observadores da ONU, em meio ao plano de paz proposto pelo enviado da organização, Kofi Annan, e acusou os países do Ocidente de ignorarem a violência dos opositores. – “O Ocidente só fala de violência do lado do governo. Não há uma palavra sobre os terroristas. Nós ainda estamos esperando”.

A verdade fica mais evidente a cada dia: Bashar Al-Assad conta com o apoio da maioria do povo sírio, com a lealdade das Forças Armadas e das instituições civis, políticas e religiosas do país. Os interessados na queda de Bashar Al-Assad – as potências ocidentais lideradas pelos EUA – são os verdadeiros responsáveis pelo sofrimento do povo sírio ao dificultarem deliberadamente uma solução política, armando e financiando a ação da oposição armada. 

Já é hora do Brasil e dos brasileiros assumirem enfaticamente uma posição diante dos fatos, repudiando e condenando o intervencionismo americano e solidarizando-se com o sofrimento do povo sírio, que luta desesperadamente contra terroristas financiados pela Arábia Saudita e outros países do Golfo Pérsico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: