Você está lendo...
Oriente Médio, Política Internacional

Israel rompe com o Conselho de Direi­­tos Humanos da ONU


Tal atitude não é novidade quando se trata de Israel, autor contumaz de crimes contra a humanidade e violações dos direitos humanos, promotores do unilateralismo, agressores e genocidas, que tem um histórico de intolerância e reações despropositadas. No último dia 26 de março o governo de Israel cortou relações com o Conselho de Direi­­tos Humanos da ONU, em reação à decisão do órgão de criar uma comissão para investigar os assentamen­­tos judeus nos territórios ocupados. Israel anunciou ainda que não permitirá a visita da comissão ao país e que estuda sanções à Au­­to­­ridade Nacional Palestina (ANP), que articulou a votação na ONU. O embaixador israelense em Genebra foi orientado a suspender a cooperação e não atender nem a telefonemas do CDH, o que só reforça o isolamento diplomático do país.

Para os palestinos a decisão do Conselho de Direitos Humanos da ONU representa uma vitória para sua causa, na medida em que apoia os direitos palestinos contra a ocupação e colonização israelenses, uma uma séria mensagem da comunidade internacional a Israel, de que a colonização é ilegal e deve cessar totalmente.

Nabil Shaath, um dos principais dirigentes da ANP, disse que a recusa de Israel em cooperar não bloqueará a investigação. Segun­­do ele, mapas e fotos estão sendo preparados para a análise da ONU: – “Iremos a qualquer órgão internacional que possa investigar e im­­por sanções”.

Em Jerusalém Oriental e na Cis­­jordânia, áreas ocupadas por Is­­rael desde 1967, vivem cerca de 500 mil judeus, em assentamentos que a ONU considera ilegais. Grande parte da comunidade internacional vê a construção de assentamentos em terras palestinas ocupadas como um grande entrave para a paz na região e pressiona Israel para que congele novas construções.

A ”missão de investigação internacional independente (…) para avaliar as consequências das colônias israelenses nos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais do povo palestino”, solicitada pela Autoridade Palestina, foi uma das 40 Resoluções aprovadas no último dia 22/03, e o único país do Conselho a votar contra foram os Estados Unidos.

 
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: